03 abril, 2008



tomada um - uma mulher atravessa a rua cantarolando uma canção do pato fu. em suas mãos, como um pingente, um livro do caio fernando abreu. seus pensamentos anunciam seus passos: que seja doce, que seja doce, que seja doce...
tomada dois: um cavalo verde, com cartola lilás enfeitada de penas azuis de pavão pilotado por três gnomos se materializa em sua frente. o cavalo deseja bom dia em dezoito idiomas. a mulher ri. faz carinho no cavalo. os gnomos lhe oferecem uma flor e sorriem. a mulher bate as asas, vôa até a árvore mais próxima, e põe-se a ler o livro. do seu lado, os heterônimos de fernando pessoa jogam dominó.

9 comentários:

Iza disse...

e se soubesse que renderia tão mais que os sorrisos, teria voado para casa, não para a árvore.

Lindo, lupeu. adorei. obrigada
(e repetia sete vezes para dar sorte: que seja doce, que seja doce, que seja doce, e assim por diante.)

Ricardo Thadeu disse...

O cavalo verde fala mais idiomas que eu, os três gnomos e Eoin Colfer juntos.

lupeu lacerda disse...

iza,
que seja eternamente doçe.
feito você.

ricardo,
o grande barato dos cavalos verdes
é que eles
são poliglotas
e estudam boas maneiras.
um grande abraço meu camarada.

Gabriela. disse...

E ainda dizem que os dragões não conhecem o paraíso.

Queria conhecer essa menina, nem que fosse pra pedir o Caio dela emprestado.

lupeu lacerda disse...

gabi...
usted és dez.
te amo.
e também quero o caio

Gabriela. disse...

Lupas, amor devoto da minha vida, vc manda e o Intolerância foi atualizado.

Ando lendo Henry Miller com o coração fodido, vc vai entender.

On disse...

eu tenho o caio e nao dou a vcs!!!!
hauahuahauhauhauahuahauhauauha
amo vcs todos!

Iza disse...

eu tenho o caio em letras, só. queria ele aqui ao lado da cama, bebendo conhaque. só pra eu contar pra ele sobre o cavalo verde que o Lupeu me deu :)

sim, eternamente doce, Lupeu, mon cher...
:)

Gabriela. disse...

Adoro a maturidade das pessoas. (Para Tulio)

Lupas, obrigada pelo presente da visita da Iza.

Que nome!!!