27 março, 2008

o sonho do menino é só um pesadelo de menino se bobear o menino é só o sonho


Quem é que sabe dos projetos feitos? O dado. Os dados. Seis lados de informações e dados. Onde o projeto de ser feliz? A sementeira de pedra. Sementes lançadas no vento caindo na sétima onda da senhora dona das águas barrentas. Sim. Eu quero sal. Sim. Penso na reza, a mão segurando a outra mão. Com força. Prendendo deus. Segurando um pedido. Que voe. Que voe. Que siga viagem até o primeiro degrau onde deus passeia com seu regador de plástico verde. Um amigo diz que deus só fala e entende hebraico. Deve ser. Deve ser não. Na dúvida traduzo a prece. Mando em bilhete. No pé do santo da igreja matriz. Saio com raiva da humanidade. Gente demais na igreja. Como ele vai ter tempo de atender todo mundo? Gente demais. Tantas igrejas... Porque eles não escolhem outra? Se não atender o meu, vai ser por falta de tempo. Ou vontade. Será que deus tem vontade? Ou é minha a vontade de que agnóstico sendo ele me prove o contrário? Quero um sinal. Quero um milhão de dólares. Quero viver duzentos anos. Comendo o pastel com caldo de cana escuto o rádio: “entender a dor”, é preciso. Entender a dor? Entender a dor... A dor se sente. A dor se supera. Até se transformar na ausência da dor. Que é uma dor mais sutil, mas não menos escrota, não menos letal. O menino que ri do meu passado ri na beira do rio raso. Amigos míopes brincando de já ser gente grande. Olhando o asfalto como novidade, e odiando os intrusos. Nada de poesia. Viver era a regra. Barrigas abertas de sapos tristes. Assassinos meninos no colégio dos padres. Ninguém tinha morrido ainda, até que ciço neguinho inaugurou a escada pro nada. Nada pra temer. O submarino amarelo tocava rock. A mulher bonita ensinava a trepar. E gostar, era coisa muito. Muito simples. Aprendi a crer que crer não era a crença certa. Era ato. E sabendo que a pirâmide de cristal nada era, nada é, nada será, abri os olhos. Envelheci.

6 comentários:

Ricardo disse...

“(...) deus só fala e entende hebraico”, as missas eram recitadas em latin, eu rezo em português errado. Será que deus entende nossa dor?

Iza disse...

quisera eu ter um deus com regador verde de plástico.
também quero um sinal, mas não rezo. talvez ele faça de birra, ou não.

lindo, lupeu.

anjobaldio disse...

Massa teu blog. Grande abraço.

lupeu lacerda disse...

ricardo, leminski disse uma vez que, no brasil, "deus" só falava e entendia com os irmão campos e com o décio pignatari. segundo ele, ambos são ininteligíveis. mas eu vou tentando...em latim, latindo, urrando, atééééé que ele encha o saco e me escute. um grande abraço.

iza querida, mandei encomendar um deus. e eles até tem em estoque, o problema tá sendo a porra do regador verde. aceita com outra cor? beijo bem grandão minha historiadora querida.

anjo baldio, muito bom te ver na nossa trincheira. fique a vontade e apareça quando quiser. um grande e caloroso abraço.

La Outra disse...

Lupeu, querido, linkei, passei, gostei, voltarei. E visetemo-nos, bj

lupeu lacerda disse...

la brum
uma honra te ter por perto
um beijo
e... pense:
te ver aqui me deixou muuuuito feliz.