18 junho, 2008

Má água


em minha mágoa
som stéreo
Má água
em minha mágoa
amálgama

5 comentários:

Carlos Rafael Dias disse...

Me agua
Minha água
Deságua muita água
No inverno do sertão

Aguada, agora, ágora, águia

Muita água nesse inferno verde
Em que se transformou esse sertão
No meio de tanta água
Água, égua, iguana
Guiana

Marcos Vinícius Leonel disse...

Valeu The Lupas, coisa nova no pedaço, poesia que gera poesia. Rafa no Oriente, abrindo os dentes.
abraços

Ricardo Thadeu disse...

de arrombar, velho Lupeu.

Carlos Rafael Dias disse...

Dente do ocidente
Alceu Valença, 1974

Antonio Sávio disse...

Parabéns pela poesia. Tenho lido ultimamente todo o conteúdo já postado aqui em seu blog. Genial como sempre.