11 maio, 2011

A palavra
nunca é só uma palavra
Nunca come quando diz que é fome
Nunca olha, quando o filme é mudo
Nunca morre, quando a bala é pra outro
A palavra,
nunca é só uma palavra
Nunca arde, quando é sem pimenta
Nunca afoga, quando diz que é choro
Nunca esquece, quando é flor dentro do livro
A palavra,
não morre quando quem fala morre
A palavra só morre
No silêncio do medo
Da primeira e
da última hora

2 comentários:

Cruz disse...

boa noite lupeu lacerda, é você quem escreveu estes versos? Concordo, pra quem é profundo a palavra não é só uma palavra, há muito mais, gostei.

lupeu lacerda disse...

grato cruz. são versos meus sim. fico feliz que você tenha apreciado. apareça sempre que quiser. e seja bem vindo.